Close Window

Exportação e balanços de carbono orgânico dissolvido em pequenas bacias do estado de Rondônia: uma comparação entre floresta e pastagem

Sérgio Candido Gouveia Neto, Centro de Energia Nuclear na Agricultura – USP. Laboratório de Ecologia Isotópica, sneto@cena.usp.br (Presenting)
Alex Vladimir Krusche, Centro de Energia Nuclear na Agricultura – USP. Laboratório de Ecologia Isotópica, alex@cena.usp.br
Christopher Neill, The Ecosystems Center, Marine Biological Laboratory, Woods Hole, MA 02543, USA, cneill
Sonja Germer, Institute of Geoecology, University of Potsdam, PO Box 601553, 14415 Potsdam, Germany, sgermer@rz.uni-potsdam.de
Helmut Elsenbeer, Institute of Geoecology, University of Potsdam, PO Box 601553, 14415 Potsdam, Germany, helsenb@rz.uni-potsdam.de
Joaquin Chaves, The Ecosystems Center, Marine Biological Laboratory, Woods Hole, MA 02543, USA, jchaves@mbl.edu

O carbono orgânico dissolvido (COD) constitui em uma das principais formas de carbono dissolvido depositado via precipitação atmosférica e exportado pelos rios em bacias de drenagem. Cálculos de deposições e exportações pode indicar alterações na ciclagem do carbono em bacias de drenagem.Portanto, o objetivo deste estudo é avaliar as deposições e exportações de COD e consequentemente o balanço deste, tanto durante eventos de precipitação quanto anualmente em duas bacias no estado de Rondônia, sendo uma com floresta e outra com pastagem. O estudo foi conduzido na fazenda Rancho Grande, próximo à cidade de Cacaulândia, entre Agosto e Novembro de 2004 e Janeiro a Abril de 2005. As concentrações de COD foram determinadas em um analisador de carbono orgânico total (Modelo TOC 5000A da marca Shimadzu). Os resultados demonstraram que houve uma deposição de 162,34 kg.ha-1. ano-1 de COD. Na bacia da pastagem e da floresta foi observado, via igarapés, uma exportação de 72,61 kg.ha-1.ano-1e 4,36 kg.ha-1.ano-1, respectivamente. Os maiores valores de exportação na pastagem está relacionada a maiores fluxos de água, sendo que do total que entrou pela precipitação (2286 mm) e precipitação interna (2053 mm) anualmente, 18% e 2% saíram pelos igarapés da pastagem e floresta. Considerando os valores de deposição e exportação, os balanços para a floresta e pastagem são 157,98 kg.ha-1 e 89,73 kg.ha-1, respectivamente. Analisando os eventos individuais de precipitação, foi observado na pastagem maiores exportações no período chuvoso (Janeiro a Abril) do que deposições, sendo na transição do período seco para o chuvoso (Agosto a Novembro) foi observado o inverso. Na floresta, as deposições nos eventos de precipitação foram sempre maiores do que as exportações nos dois períodos. Embora os balanços da floresta e pastagem sejam diferentes, saídas do sistema não quantificadas neste estudo, como por exemplo, pela água subterrânea pode ocorrer. Contudo, pode-se concluir que a conversão de floresta para pastagem, através da ação humana, resultou em mudanças significativas na exportação de COD nestas bacias em Rondônia.

Science Theme:  CD (Carbon Dynamics)

Presentation Type:  Poster

Abstract ID: 2

Close Window